Formal & Informal

´Olho por olho, Dente por dente´ ainda prevalece

Justiça com as próprias mãos, não é justiça/Foto: Reprodução
Redação
Escrito por Redação

Com  tantos registros de casos de violência que envolve assaltos, execuções, homicídios, latrocínios (roubo seguido de morte),  já há pessoas em Manaus  que   defendam “Olho por olho, dente por dente” , ou seja,  fazer justiça  com as próprias mãos.
Outras até exageram ao lembrar o esdrúxulo parecer do promotor do Tribunal do Júri de São Paulo, Rogério Leão Zagallo, que muita gente  desconhece.

Polêmico que só  ele, o promotor chegou ao  absurdo de escrever, em um parecer seu,  um  conselho a um  investigador da Polícia paulistana que melhorasse sua mira e matasse um bandido.  O referido  policial  matou um bandido e só feriu um outro comparsas que  haviam reagido e atirado contra os policiais que tentavam  prendê-lo.
“Bandido que dá tiro para matar tem que tomar tiro para morrer”,  cita o promotor  polêmico que deu parecer  pelo arquivamento do caso que envolvia  o investigador que matou um bandido, mas não acertou o outro que atirou  contra os policiais que tentavam prendê-los.

E o referido promotor foi além e arrematou ainda em seu parecer onde arquivou  a denúncia contra o investigador : “Fica aqui o conselho para Marcos Antonio (policial), melhore sua mira”.

Nas redes  sociais, apesar da notícia não ser recente,  a informação foi divulgada e  bombou de  tantos comentários contra  e a favor do promotor. Mais a favor do que contra.

Os comentários mais comuns eram de apoio ao promotor. Comentários do tipo; “É isso promotor. Bandido bom é bandido morto”.

Aqui em Manaus, o comentário do promotor pode ser bem oportuno já que a cidade vive um início de ano quase atípico em relação a violência e há quem defende o “olho por olho, dente por dente”. Há quem diz ter  saudade dos chamados  esquadrão da morte e dos grupos  de extermínio.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.