Amazonas Política

Órgãos de segurança montam sistema para resguardar população e manifestantes

Cel. Dan Câmara, secretário-executivo para Grandes Eventos/Foto: Arquivo
Redação
Escrito por Redação

Cinco dos 18 movimentos que estão organizando a manifestação pacifica, e em favor do Impeachment da presidente Dilma Roussef Denominada “Nós não vamos pagar”, estiveram reunidos com os órgãos estratégicos que vão atuar diretamente na segurança, prevenção e monitoramento do evento na manhã de hoje, terça-feira (11), no centro integrado de comando e controle do Amazonas (CICC) localizado na avenida André Araújo, zona Centro-Sul da capital.
Entre os órgãos que estiveram presentes estavam os representantes da Policia Militar (PM), Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), Secretária Estadual de Sáude (Susam), Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (ManausTrans), Serviço de Atendimento Móvel (Samu), Corpo de Bombeiros, Secretaria de Segurança do Estado do Amazonas (SSP-AM), na ocasião da manifestação o Cicc, vai deflagrar a Operação Gestão de Multidões VI, ou seja, continuando o trabalho de monitoramento e prevenção a exemplo das outras edições de manifestações como essas do próximo domingo (16).

De acordo com o secretário executivo adjunto de Segurança para Grandes Eventos, coronel Dan Câmara “essas reuniões fazem parte de um cronograma que tem o objetivo principal resguardar a população e os manifestantes, para que se tenha um evento organizado e pacifico, por isso chamamos os representantes dos principais movimentos para que juntos, possamos discutir e esclarecer as diretrizes e regras para a realização do evento” pontuou o secretário.

Entre os principais movimentos de articulação nacional participam Corrupção Não, Brasil Livre, Revoltados Online, Vem Pra Rua, Movimento Fora Dilma, Movimento Amazonas em Ação, Face do Norte, Sindicato dos Médicos do Amazonas, Nas Ruas Contra a Corrupção, Movimento Brasil Melhor, Movimento Conservador do Amazonas, Clube Ajuricaba, Avança Brasil, Maçonaria e Centros Acadêmicos e DCE´S de várias faculdades.

As ações dos movimentos de rua iniciaram-se de forma descentralizada ainda no ano de 2013, e com o surgimento de mais escândalos envolvendo o governo Dilma o movimento cresceu atraindo multidões as ruas do país, pedindo democracia e o fim da corrupção.

Essas mobilizações acontecem espontaneamente em diversas capitais entre elas Brasília (DF), São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Belém (PA) e Campo Grande (MT), já confirmadas.

Para um dos coordenadores do movimento na capital, Fred Ângelo Valente, em entrevista ao portal Online, explicou “A ideia da realização da manifestação pacifica é resultado de diversas reuniões entre os movimentos e discussões online, que tratam da real situação do país e conjuntura política, que atualmente estamos vivendo” enfatizou Valente.

Histórico

No dia 16 de Agosto de 1992, há exatos 23 anos se desencadeava no brasil um movimento formando por estudantes que pediam o impeachment do presidente Fernando Collor de Mello, conhecidos popularmente como os caras-pintadas, o movimento baseou-se nas denúncias de corrupção que pesavam na época contra o presidente e, ainda, em suas medidas econômicas impopulares, que contou com a adesão de milhares de jovens em todo o país. O nome “caras-pintadas” referiu-se à principal forma de expressão e símbolo do movimento: as cores verde e amarelo pintadas no rosto dos manifestantes.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.