Colunas

Os corruptos que elegem o corrupto – por Francisco Costa

francisco
Redação
Escrito por Redação

O manifesto de ontem, pedindo o afastamento de Eduardo Cunha, é o retrato do caráter da direita brasileira, hipócrita, corrupta, traidora.

Vamos começar do início? – Logo que Dilma foi reeleita e, com ela, o Congresso Nacional (deputados e parte dos senadores), Eduardo Cunha saiu em peregrinação, visitando todas as capitais e grandes cidades, não deixando passar uma, como se estivesse em campanha presidencial (e estava, só que não para a da república, mas da câmara).

E começou a grita: Eduardo está pagando as dívidas de campanha de todos os eleitos endividados, fazendo acordo com os governadores, para que pressionem os parlamentares das suas bases, para que votem nele.

Nos dias que antecederam a votação, Arlindo Chinaglia e Júlio Delgado, seus adversários, denunciaram que os votos estavam todos comprados por Cunha, mas a Globo e a oposição bancaram o bom moço, mesmo sabendo da periculosidade dele.

E o meu ocasional leitor me perguntará: mas Cunha tem poder econômico pra isso? São muitos e muitos milhões!

Até agora só foram descobertas parte das contas, a maioria delas tendo recebido aportes de paraísos fiscais, o que quer dizer que ele tem inúmeras outras contas secretas fora da Suíça, e só em uma delas a mulher de Cunha movimentou quarenta e cinco milhões de reais, em dois anos.

Agora os irmãos Marinho (Globo), sonegadores de primeira, com os nomes na Zelotes, no próprio HSBC suíço, através de laranjas, fazem editorial no jornal O Globo, pedindo o afastamento de Cunha, o Jornal Nacional, púlpito e palanque político da direita, detona Cunha, e todos os deputados que venderam os seus votos a ele se reúnem e pedem o seu afastamento.

No submundo da criminalidade há uma figura, chamada de “bucha”, que é o que poderíamos chamar de anteparo do crime, aquele que assume tudo para isentar os demais.

Nas cadeias e penitenciárias, por exemplo, o bucha é aquele cara que, seja pela gravidade do delito cometido, seja pelo acumulo de delitos, tem uma pena de quase prisão perpétua, vai morrer na cadeia. Então…

Se um preso mata o outro, o bucha se apresenta como o autor. Se drogas são apreendidas em uma cela, o bucha se entrega como o proprietário delas…. E, em troca tem a proteção dos poderosos do crime e a garantia das suas necessidades básicas atendidas: cigarros, cobertor, comida melhorada, drogas… Na cadeia, e o sustento e proteção da sua família, aqui fora, gratuitamente.

Mas há um problema que a direita tem que resolver: o bucha o é por acordo, o que não aconteceu com Eduardo Cunha. Os ladrões não combinaram com ele que assumisse tudo, mas o denunciaram, entregaram de bandeja e aí complica, Eduardo não tem escrúpulos nem limites, e pode denunciar todo mundo, em represália.

A se generalizar a política mineira, Eduardo corre risco de morte(que o diga o policial Lucas Evangelista), é um vasto arquivo a ser queimado, como PC Farias, seu ex sócio.

Olhando-se os que derrubaram Cunha estão lá Aécio Neves, Aloysio Nunes, Nardes, José Serra, Joaquim Barbosa, Anastasia, Agripino Maia, Ronaldo Caiado, Carlos Sampaio, irmãos Marinho… E mais uma penca, todos já denunciados pelos mesmos crimes de Cunha.

Os quarenta se amotinaram e traíram Ali Babá.

Se o meu ocasional leitor observar bem, a expressão Lava Jato foi banida da mídia, e a explicação é simples: acabou o estoque de meia dúzia de petistas, agora investigam as muitas dúzias da oposição, denunciadas anteriormente, e a operação ganhou a rubrica de “em segredo de justiça”. Cunha em evidência é publicidade da Lava Jato e isso não podem permitir.

Como continuarão a se apresentar como alternativa à “roubalheira petralha” se são todos ladrões contumazes e juramentados, denunciados, esperando que a justiça se dispa da toga da corrupção e os indicie?

Comemoremos a queda de Cunha, porque um ato moral, mas sem perder de vista que foi no interessde da criminalidade, um simples rodízio de liderança entre eles.

Logo haverá outro pirata no comando do navio.

Francisco Costa – em Rio, 11/10/2015.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.