Amazônia Pará

PA: em Belém jovem acusa soldados da Marinha de tortura

Belém jovem acusa soldados da Marinha de tortura/ foto DOL
Redação
Escrito por Redação

O vendedor ambulante Cleydson da Conceição Almeida, 18 anos, jamais esquecerá o dia da última segunda-feira (16). O rapaz afirma ter passado uma hora sendo torturado por soldados da Marinha, que faziam a guarda de uma área conhecida como “mata da Marinha” na avenida Júlio Cesar, em Belém, no início da tarde de anteontem.

O DIÁRIO teve acesso ao caso e acompanhou o denunciante desde a saída do Hospital Humberto Maradei, no bairro do Guamá, até a Seccional Urbana de São Brás, onde Cleydson fez o relato da violência que teria sofrido. O caso deve ser apurado pela delegacia da Sacramenta. O vendedor disse, ainda, que trabalha com a venda de tapiocas, em companhia de um irmão, e mora no conjunto Paraíso dos Pássaros, no CDP.

Cleydson relatou que teria entrado na área para pegar uma sandália que esqueceu no dia anterior, próximo a um igarapé aonde os moradores costumam ir para tomar banho nos fins de semana. “Não sabia que se tratava de área militar”, disse. Ele afirmou que estava a caminho do local, falando ao celular, quando foi abordado por 3 militares.

Os homens teriam apontado armas para ele e o chamado de “vagabundo”. Após renderem o jovem, eles teriam iniciado uma sessão de agressões com socos, pontapés no rosto e nas costas e açoites com fios elétricos. O ambulante diz ter sido jogado ao chão e pisoteado.

No seu relato, afirmou, ainda, que mandaram entrar no igarapé nadando várias vezes e, ao retornar, foi obrigado a beber lama. Os agressores teriam feito várias ameaças. Segundo ele, um dos soldados lhe disse: “Há três corpos enterrados aqui, você vai ser o próximo”.

Ele relata ter fugido nu pelo mato e novamente foi perseguido pelo trio, conseguindo pular um muro de uma residência, se escondendo até ter certeza de que eles tinham deixado o local. Cleydson foi socorrido por uma mulher e encaminhado ao PSM bastante debilitado, de onde recebeu alta ontem.

Tudo teria sido filmado pelo celular de um dos militares. Ele registrou também que teve o celular, um relógio e um cordão levados pelos soldados. Após registrar ocorrência na Polícia Civil, Cleydson foi enviado para exames de corpo de delito no Instituto Médico Legal.

(Diário do Pará)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

2 Comentários

error: Ops! não foi dessa vez.