Amazônia Pará

PA: MPF denuncia servidores por fraude em contracheque da UFRA

fraude-de-contracheque-da-UFRA
Redação
Escrito por Redação

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou um grupo de dez servidores da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) por fraude na folha de pagamento da instituição entre janeiro de 2010 e setembro de 2014. A denúncia de ação penal foi aceita pela 4ª Vara da Justiça Federal no Pará.

De acordo com a denúncia, aproximadamente 90 servidores da Ufra recebiam adicional de incentivo à qualificação, como se fossem detentores de título de mestrado, mesmo sem nenhum processo administrativo que comprovasse essas informações.

As investigações também apontam que os dez servidores denunciados obtiveram enriquecimento ilícito de 52% acima do vencimento base a que tinham direito.

Além dessa constatação, observou-se que em alguns contracheques, após o pagamento indevido, os valores eram descontados no mês seguinte, sem causar prejuízo ao erário.

Segundo a denúncia, essa manobra, realizada pelos servidores responsáveis pelo sistema de pagamento, Dimas Lúcio da Silva Ribamar e Carivaldo Souza dos Santos, tinha o objetivo de enganar instituições financeiras para aumentar o vencimento base no contracheque e conseguir empréstimos e financiamentos com mais facilidade.

Na ação assinada pelo procurador Alan Mansur, ele destaca que grande parte dos servidores tem alguma ligação entre si, são parentes próximos ou amigos de infância, bem como todos possuem empréstimos consignados praticamente nos mesmos bancos.

O esquema foi desarticulado pela operação “Pós Stricto Sensu”, deflagrada pela Polícia Federal (PF) no Pará em setembro de 2014. A investigação da PF foi iniciada a partir de denúncia encaminhada pela área de Gestão de Pessoas da própria instituição, depois que duas servidoras da Universidade descobriram a fraude e fizeram denúncia administrativa.

Além dos dois servidores citados, os outros denunciados são: Almir Barata Andrade, Antônio Lúcio Gomes Almeida, Antônio Sérgio da Silva Araújo, Evandro Bomfim Mouzinho, Jefferson Silva dos Santos, José Tarcísio de Paula, Luiz Gomes Almeida e Paulo Sérgio Nascimento de Oliveira.

Agora o grupo responde na Justiça Federal por peculato e inserção de dados falsos em sistema de informações, com pena de 2 a 12 anos de reclusão.

(DOL)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.