Cidades

Padrasto suspeito de matar enteada a chutes e socos é preso nesta quinta, em Manaus

Redação
Escrito por Redação

Suspeito de agredir até a morte a enteada de apenas quatro anos de idade, a chutes e socos, Kedson da Silva Coelho, de 21 anos, foi apresentado na tarde desta quinta-feira (2), na sede da Delegacia Geral da Polícia Civil, na Zona Centro Oeste de Manaus. A prisão de Kedson ocorreu pela manhã, por volta das 9h30, na casa da mãe dele, localizado na Rua São Severino, no bairro Santa Etelvina, Zona Norte de Manaus.

De acordo com a titular da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), delegada Juliana Tuma, Kedson foi preso em cumprimento a mandado de prisão preventiva, expedido pela Juíza do plantão criminal Ana Lorena Teixeira Gazzineo.

A delegada Juliana Tuma deu detalhes do crime. No final de abril deste ano a mãe da criança, Pâmela Borba Ferreira, de 23 anos, teria saído para trabalhar. Ela deixou as duas filhas, a vítima de quatro anos e uma de seis anos, sob os cuidados do padrasto.

Conforme a autoridade policial, a criança ainda chegou a ser socorrida com vida ao SPA, mas não resistiu aos ferimentos - fotos: divulgação/Polícia Civil

Conforme a autoridade policial, a criança ainda chegou a ser socorrida com vida ao SPA, mas não resistiu aos ferimentos – fotos: divulgação/Polícia Civil

“A criança teria mexido no celular de Kedson e o deixou bastante alterado. Em um momento de fúria ele chutou a vítima duas vezes no abdômen. Na sequência, ainda ligou para a mãe da menina para informar que havia castigado a menina e que ela estava passando mal”, declarou a delegada Juliana Tuma.

Conforme a autoridade policial, a criança ainda chegou a ser socorrida com vida, apesar de estar inconsciente. Ela foi levada três dias depois das agressões ao Serviço de Pronto Atendimento (SPA) Enfermeira Eliameme Rodrigues Mady, no bairro Monte das Oliveiras, Zona Norte, onde não resistiu aos ferimentos, no dia 2 de maio deste ano. A criança apresentava hematomas no abdômen e virilha.

“Os profissionais da unidade hospitalar que atenderam a criança acionaram os policiais da 15ª Companhia Interativa Comunitária para que eles apresentassem o padrasto e a mãe da vítima no 15º Distrito Integrado de Polícia para prestarem esclarecimentos sobre as causas dos hematomas. Como não tinham elementos suficientes para prendê-los, foram ouvidos e liberados. Diante disso, assumimos o caso e demos início às investigações. No decorrer das diligências descobrimos que os episódios de agressões eram recorrentes”, explicou Tuma.

A titular da Depca afirmou que, em depoimento, tanto a mãe da criança quanto o padrasto alegaram que a criança ficou machucada após cair no banheiro da casa onde eles moram, no bairro Santa Etelvina, zona Norte. Testemunhas confirmaram que a criança era vítima de agressões. O crime foi atestado até mesmo pela irmã mais velha da vítima, de seis anos.

“Nós nos dirigimos até o banheiro da casa onde supostamente havia acontecido o acidente, mas não encontramos no local qualquer instrumento que pudesse provocar à ação contundente que ocasionou o trauma abdominal que levou a menina a morte. A versão dada pelo infrator foi questionada e ele acabou confessando que agrediu a criança após ela deixar o filho dele de nove meses cair no chão”, esclareceu a delegada.

Diante dos indícios obtidos e com a constatação das agressões por meio de laudo necroscópico que confirmou a morte por trauma abdominal fechado e não tratado, a delegada representou o pedido de prisão preventiva em nome de Kedson à Justiça.

Juliana Tuma acrescentou que Pâmela foi omissa diante das agressões. Em depoimento, a mãe da vítima relatou que costumava deixar a filha aos cuidados de Kedson quando saía para trabalhar e ficou comprovado que ela tinha conhecimento das agressões.

Kedson foi indiciado por homicídio qualificado e Pamela por omissão de socorro. Ao término dos procedimentos cabíveis realizados na Depca, Kedson foi encaminhado à Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, onde irá permanecer à disposição da Justiça.

Com informações da assessoria

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.