Mundo

Panamá quer mediar crise na fronteira da Venezuela com a Colômbia

Presidente Juan Carlos Varela, do Panamá/Foto: AFP
Redação
Escrito por Redação

O Panamá mostrou-se hoje (30), disposto a contribuir para que a Venezuela e a Colômbia cheguem a uma solução pacífica para a crise na fronteira entre os dois países, fechada há dez dias por determinação do presidente Nicolás Maduro.
“O Governo da República do Panamá defende o diálogo para encontrar uma solução pacífica que ponha termo às diferenças entre a Colômbia e a Venezuela em matéria fronteiriça”, destacou o comunicado do Ministério das Relações Exteriores do Panamá ao qual a Agência Lusa teve acesso.

Segundo o documento, a vontade de contribuir para uma solução negociada foi “manifestada pela vice-presidente e ministra de Relações Exteriores [panamenha], Isabel de Saint Malo de Alvarado, em conversações com as suas homólogas em Colômbia, Maria Ángela Holguín, e na Venezuela, Delcy Rodríguez, pondo-se o Panamá à disposição para continuar nessa via”.

“É um tema muito sério e que preocupa o Panamá, principalmente pelo bem-estar das pessoas afetadas. O governo do Panamá deseja o melhor para ambos os países, em benefício dos seus cidadãos e da região latino-americana”, concluiu o texto.

No último dia 24, o governo venezuelano publicou um decreto em que oficializou o estado de emergência em seis municípios fronteiriços com a Colômbia. O fechamento da fronteira foi justificado com base no combate aos grupos paramilitares, ao narcotráfico e ao contrabando.

O decreto presidencial suspendeu por 60 dias, prorrogáveis, garantias constitucionais nos municípios de Bolívar, Pedro María Ureña, Junín, Capacho Nuevo, Capacho Viejo e Rafael Urdaneta, do estado de Táchira.

O texto do decreto citou, entre os motivos, “a presença de circunstâncias criminosas e violentas vinculadas a fenômenos como grupos paramilitares, o narcotráfico e o contrabando”, ações “que rompem o equilíbrio do direito internacional, a convivência pública cotidiana e a paz”, provocando “violência contra cidadãos e funcionários venezuelanos no exercício das suas funções públicas”.

Ontem (29), a Venezuela também fechou as fronteiras dos municípios Lobatera, Ayacucho, García de Hevia e Panamericano, em Táchira, ao mesmo tempo em que reforçou a presença de militares na zona. Desde a interdição da fronteira, mais de 1 mil colombianos foram repatriados e cerca de 7 mil abandonaram a Venezuela voluntariamente.

A decisão do governo venezuelano tem provocado preocupação em organismos internacionais como a União de Nações da América do Sul (Unasul) e a União Europeia. Por outro lado, a Venezuela exigiu neste domingo (30) aos Estados Unidos que deixem de interferir nos assuntos bilaterais com a Colômbia, dez dias depois de Caracas decretar o estado de emergência nas localidades fronteiriças.

“Exigimos ao governo dos Estados Unidos que não se intrometa nos assuntos de índole estritamente bilateral entre a Venezuela e a Colômbia. A República Bolivariana da Venezuela condena as declarações do porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, John Kirby, por revelarem uma ingerência nos assuntos internos”, escreveu, no Twitter, a ministra venezuelana de Relações Exteriores.

Segundo Delcy Rodríguez, a situação fronteiriça entre a Venezuela e a Colômbia obedece ao “desdobramento” do Estado colombiano no combate ao paramilitarismo e ao narcotráfico e promove a instabilidade da economia venezuelana por meio do ataque à moeda e do contrabando de combustível e de diversos tipos de produtos.

Na sexta-feira (28), John Kirby divulgou um comunicado em que manifestava a preocupação do governo norte-americano pela crise fronteiriça entre ambos países da América do Sul. Ele destacou que as necessidades imediatas dos deportados ou deslocados devem ser atendidas.(Agência Brasil)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.