Amazonas Economia

Para ministro do Trabalho, 244 mil demissões no ano ‘não é um desastre

O Impacto na construção civil/Foto: Arquivo
O Impacto na construção civil/Foto: Arquivo
Redação
Escrito por Redação

O fechamento recorde de 244 mil vagas no Brasil nos primeiros cinco meses deste ano, de acordo com os números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), não é “um desastre”, na avaliação do ministro do Trabalho, Manoel Dias. Ele minimizou o fechamento desses postos de trabalho, recorrendo a comparações com o número de postos criados pelos governos do PT (2003-2014).
“Nós geramos 23 milhões de empregos. Não são 200 mil, 300 mil (vagas cortadas) que significam que estamos vivendo um desastre”, disse, ao ser questionado sobre o pior resultado desde 2002, quando começa a série histórica do Caged. Segundo dados do próprio ministério, o saldo líquido de admissões nos últimos 12 anos, que incluiu os dois governos de Luiz Inácio Lula da Silva e o primeiro mandato de Dilma Rousseff, foi positivo em 18,4 milhões.

Logo após o anúncio do Programa de Proteção ao Emprego (PPE), que tenta reverter o aumento crescente das demissões, Dias disse que a expectativa do governo é que 2015 feche azul na geração de empregos. Analistas, porém, estimam que o País perderá entre 650 mil e 1 milhão de postos de trabalho no ano. “Se não houver recuperação da capacidade de investimento, isso vai afetando. Mas temos perspectiva de recuperação no segundo semestre.”

A expectativa se baseia na tese de que, por razões sazonais, o mercado de trabalho no Brasil tende a ser mais favorável no segundo semestre. No entanto, para economistas, a intensidade da piora verificada nos cinco primeiros meses do ano faz com que seja pouco provável que possa ocorrer melhora nos próximos meses, que seja suficiente para inverter o quadro atual de queda no emprego.

A avaliação do ministro sobre a realidade em que se encontram os trabalhadores empregados não encontra respaldo nos dados de órgãos oficiais. “As pessoas que não foram dispensadas estão com um salário bom, acima da inflação, renda familiar altíssima”, afirmou Dias. De acordo com o IBGE, um dos fatores para o aumento do índice de desemprego no Brasil é a queda do rendimento médio dos trabalhadores, que obriga mais pessoas a voltar ao mercado de trabalho para recompor a renda familiar.

Queda

Sob pressão de parcela do PDT que pede sua saída do comando do Ministério do Trabalho, o ministro afirmou que não está preocupado, embora esteja à disposição para deixar o cargo, se essa for a decisão do partido. “Eu não tenho nenhuma preocupação. Se o partido decidir que eu saio ontem, eu saio ontem. Se decidir que eu saio amanhã, eu saio amanhã”, disse. Ele ponderou, entretanto, que nenhuma decisão está tomada e que ainda tem “muito o que fazer” à frente da pasta.(UOL/Estadão)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.