Amazonas Destaques Política Saúde

Pesquisadores e especialistas debatem criação de Hospital de Medicina Alternativa, no AM

Vereadores Mário Frota(C) e Ewerton(D) e o médico e pesquisador Euler Ribeiro/Foto: Tiago Correa
Vereadores Mário Frota(C) e Ewerton(D) e o médico e pesquisador Euler Ribeiro/Foto: Tiago Correa
Redação
Escrito por Redação

A possibilidade de criação de um hospital de medicina alternativa em Manaus, dotado de horto medicinal e farmácia para preparo da matéria-prima e manipulação de medicamentos fitoterápicos e homeopáticos, a exemplo do Estado de Goiás (GO), foi discutida por pesquisadores e representantes de órgãos ligados à Saúde, no 1º Seminário de Fitoterapia do Amazonas, realizado na manhã de hoje, quinta-feira (06), no plenário Adriano Jorge da Câmara Municipal de Manaus (CMM).
Na audiência, de autoria do vereador Mário Frota (PSDB), também estiveram presentes o presidente da Comissão de Saúde da CMM, vereador Dr. Ewerton Wanderley (PSDB) e da vereadora Pastora Luciana (PP), da coordenadora de Ensino e Pesquisa do Hospital de Medicina Alternativa de Goiânia, a farmacêutica, Mara Rúbia Ferreira e do diretor da Universidade Aberta da Terceira Idade, o médico Euler Ribeiro.

Mário Frota analisa que a ideia de um local próprio para o atendimento alternativo seria um grande passo, não somente para a economia do Amazonas, visto que a Zona Franca de Manaus (ZFM) ainda é a única maior economia do Estado, mas um importante polo de exploração e fabricação de remédios fitoterápicos. “Precisamos explorar a nossa biodiversidade. É preciso desenvolver aqui, um centro de estudos que incentive as pesquisas para a manipulação de medicamentos alternativos, à base de plantas medicinais”, disse o parlamentar.

Mara Rúbia Ferreira, que apresentou a experiência bem-sucedida do hospital alternativo em Goiânia, destacou que a construção do hospital no Amazonas é importante, porém seria um processo longo, pois teria que envolver todos os profissionais da área da Saúde, além do interesse dos governantes em incentivar a medicina alternativa, visto que é uma política desde 2006 do Ministério da Saúde. “A formação profissional seria o primeiro ponto para o atendimento ambulatorial dentro dos hospitais ou postos de saúde, para o acesso da população. A criação do Hospital de Medicina Alternativa de Goiânia foi uma medida que há mais de 25 anos deu certo em Goiás. A população cada vez mais procura o tratamento natural de forma integral”, ressaltou Mara Rúbia.

Para o especialista em plantas medicinais da Universidade Federal do Amazonas professor (Ufam), professor Moacyr Biondo, a importância de criação do hospital alternativo ou complementar, como prefere chamar, é oferecer a toda a população a possibilidade de cura para todas as doenças, mas é preciso valorizar mais o conhecimento tradicional, principalmente dentro das universidades. “A nossa proposta de introduzir o tema medicina complementar aos alunos de medicina, mas é preciso uma disciplina específica para capacitar, porque hoje a fitoterapia já é reconhecida pelo governo federal. Os médicos já podem prescrever alguns medicamentos à base de plantas medicinais como chás ou fitoterápicos”, observou o professor.

O pesquisador e doutor em Botânica do Instituto Nacional de Pesquisas do Amazonas (Inpa), Juan Revilla, ressaltou que a união de forças do Município e Estado para construir um local específico para o atendimento à saúde alternativo,seria um beneficio considerável, principalmente às pessoas de baixa renda, porque ao mesmo tempo seriam disponibilizados médicos e medicamentos para o devido tratamento. “É preciso ter um ponto de referência para esse tipo de atendimento, assim a população teria a segurança de contar com profissionais habilitados”, completou Juan Revilla.

Longevidade e qualidade de vida

O médico Euler Ribeiro, durante a palestra ‘Dieta Amazônica’, apresentada na discussão, destacou, entre as várias pesquisas feitas, o estudo realizado no município de Maués (a 268 quilômetros de Manaus), no qual comprovou a longevidade daquela população. Na pesquisa, que abordou viés para a longevidade e amplitude da qualidade de vida, foram analisados a genética, a fuga do estresse e a boa alimentação. “Isso é uma demonstração de como a biodiversidade beneficia a saúde do homem. Por isso, acredito que precisamos reforçar a ideia de um local específico no Amazonas para o tratamento alternativo a base de plantas”, disse Euler Ribeiro.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.