Brasil Destaques Política

PF apura compra de votos no impeachment e conversa sobre ‘fim’ da Lava Jato

Ministro Eugênio Aragão, da Justiça/Foto: MJ
Redação
Escrito por Redação

A Polícia Federal já iniciou o processo de apuração de dados relativos as suspeitas de compra de votos de deputados dentro do processo de impeachment da presidente da República, Dilma Rousseff (PT), aprovado em sessão do último domingo (17), na Câmara. O início da investigação foi determinado pelo ministro da Justiça, Eugênio Aragão.
A PF investiga possível crime de corrupção passiva por parte dos deputados e corrupção ativa por parte de empresários interessados no afastamento da presidente Dilma, que teriam oferecido jatinhos particulares para que os parlamentares se deslocassem de seus Estados para Brasília e não deixassem de votar.

A oferta foi admitida pelo braço direito do vice-presidente Michel Temer (PMDB), o ex-ministro Eliseu Padilha, em entrevista à jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, na tarde de domingo, pouco antes do início da votação do impeachment. Padilha havia declarado, mais cedo, que o grupo a favor da destituição de Dilma “já se organizou para resolver imprevistos (…) Nós temos aviões para buscá-los”.

Mensagem vaza e levanta suspeitas

Uma outra suspeita levantada em Brasília diz respeito a negociações envolvendo a Operação Lava Jato. Uma conversa de Whatsapp do deputado Cabuçu Borges (PMDB-AP), vazada também neste domingo (17), traz uma revelação que, se confirmada, pode dar uma reviravolta no cenário político do País.

Na conversa com um interlocutor não identificado, Cabuçu Borges revela que o vice-presidente Michel Temer (PMDB) teria prometido que se o impeachment contra a presidente Dilma Rousseff fosse aprovado no Congresso, ele conseguiria parar os desdobramentos da Operação Lava Jato.

Segundo a conversa vazada, diante da dúvida do interlocutor, o deputado Cabuçu Borges disse que Temer o colocou com “chefes do MP e Judiciário”, e confirmaram. Segundo o Diário do Centro do Mundo, Cabuçu Borges não negou a autenticidade da conversa.

Conversa de interlocutor vazada no WhatApp/Foto: Reproduçãso denúncia/Foto: Reprodução

Conversa de interlocutor vazada no WhatApp/Foto: Reprodução

A intervenção nas implicações da Operação Lava Jato é uma das acusações de deputados da base governistas aos aliados de Eduardo Cunha e Michel Temer. Além disso, o juiz Sérgio Moro já anunciou que irá encerrar as investigações em dezembro deste ano.(Wscom/Mobile)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

1 comentário

error: Ops! não foi dessa vez.