Amazônia Tocantins

PF desarticula quadrilha especializada em tráfico de aves em TO

voo-livre
Redação
Escrito por Redação

Polícia Federal cumpre 35 mandados nesta quinta-feira (14), em operação.

Aves eram capturadas principalmente no Parque Nacional do Jalapão (TO)
A Polícia Federal realiza nesta quinta-feira (14) uma operação para desarticular uma organização criminosa especializada no tráfico de aves e outros animais silvestres. Os pássaros eram capturados principalmente no Tocantins e revendidos para outros estados. A PF cumpre 10 mandados de prisão preventiva, 15 de busca e apreensão e 10 de condução coercitiva em Tocantins, Goiás e São Paulo.

Segundo a PF, as aves também eram capturadas na Bahia e no Pará. Mas a suspeita é de que grande parte tenha sido caçada no Parque Nacional do Jalapão, uma unidade de conservação federal localizada em território tocantinense e conhecida por ser um refúgio natural de vida selvagem.

A Polícia Federal informou que uma ave recém-saída do habitat custava em torno de R$ 65 e depois era revendida por até R$ 2 mil. Durante as investigações, mais de 500 animais foram apreendidos. “Muitas, ainda filhotes, eram transportadas em espaços sufocantes, para dificultar a fiscalização”, informou a PF, em nota.

A suspeita é de que a organização também promovia a falsificação de anilhas, os selos de identificação dos animais, e promoviam a venda para o exterior.

Dinâmica da organização
A PF informou que os integrantes do grupo criminoso tinham tarefas distintas. Os coletores, pessoas que vivem próximas à natureza, retiravam os animais do meio ambiente. Depois, os comerciantes faziam o tráfico dos animais.

E os financiadores disponibilizavam recursos para os comerciantes praticarem os crimes.

Crimes
Segundo a polícia, os suspeitos serão indiciados pela prática dos crimes de receptação qualificada, associação criminosa, falsificação de selo público federal, caça, maus tratos, comércio interestadual de animais silvestres e organização criminosa. As penas somadas podem ultrapassar 15 anos de prisão, informou PF.

(centralizada)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.