Amazonas Esportes

Resistência de Tite à Seleção atrapalha plano da CBF

Tite diz não pensar em Seleção/Foto: Divulgação
Redação
Escrito por Redação

Enquanto observa a “temperatura das ruas”, para saber como o torcedor reage à péssima campanha do Brasil nas eliminatórias da Copa do Mundo, de 2018, a CBF vê com desagrado as últimas manifestações do técnico do Corinthians, Tite, quanto à eventualidade de ele assumir a Seleção Brasileira no lugar de Dunga. Como crítico da atual administração da entidade, Tite declarou que seria muito complicado dividir seu tempo entre Corinthians e Seleção, se viesse a ser convidado pela CBF.
Assim, mais uma vez, ele praticamente descartou a hipótese de ser técnico da Seleção enquanto o grupo de Marco Polo Del Nero, presidente licenciado, estiver à frente da confederação. Além disso, em entrevista concedida após o jogo entre Corinthians e Ponte Preta, na noite de quarta (30), em Itaquera, Tite ressaltou que não é ético tratar do tema enquanto há outro treinador no cargo.

Assim, mais uma vez, ele praticamente descartou a hipótese de ser técnico da Seleção enquanto o grupo de Marco Polo Del Nero, presidente licenciado, estiver à frente da confederação. Além disso, em entrevista concedida após o jogo entre Corinthians e Ponte Preta, na noite de quarta (30), em Itaquera, Tite ressaltou que não é ético tratar do tema enquanto há outro treinador no cargo.

Em sexto lugar nas eliminatórias, o Brasil hoje estaria fora do Mundial da Rússia. O técnico Dunga está mantido no comando da equipe, sem, no entanto, nenhuma garantia de que ele seja o técnico da Seleção na próxima rodada da competição, em setembro. A opção por Tite ganhou força na CBF após os últimos tropeços do Brasil, contra Uruguai e Paraguai, mas nenhum de seus dirigentes fala disso abertamente.

“Se sai o Dunga e o Tite não quer, fica difícil escolher outro.. Hoje, no futebol brasileiro, só o Tite tem respaldo nacional”, comentou com o Terra um funcionário da CBF que tem trânsito livre com a comissão técnica e os dirigentes da entidade. Caso Dunga continue, sua prova de fogo será em julho, quando a seleção disputará edição especial da Copa América, nos Estados Unidos.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.