Amazonas Formal & Informal

Robério Braga volta a “bater de frente” com a cultura do interior

Redação
Escrito por Redação

Às voltas com o secretário de Cultura do Estado, Robério Braga, o coordenador geral do Festival da Canção de Itacoatiara (Fecani), Manolo Olímpio, está prestes a tomar uma decisão, que segundo ele, será “muito difícil para todos” mas, principalmente, para a cultura do interior do Amazonas, em especial para a cidade de Itacoatiara.

Manolo disse que vem enfrentando sérios problemas de comunicação com o “eterno” secretário de cultura do Amazonas, Robério Braga, principalmente agora que resolveu complicar a vida dos promotores de cultura no Estado, por birra ou por teimosia.

Para complicar a relação nada amistosa com os promotores de cultura, Robério criou um modelo de planilha, que deve controlar as verbas doadas pelas empresas, para apoio das festas e festivais nas cidades do interior e capital. Principalmente para os ditos grandes eventos como o Fecani, Ciranda de Manacapuru e outros do mesmo porte. Ele está condicionando o apoio a estes eventos, ao seu modelo de planilha centralizada.

Com o controle financeiro absoluto das verbas de patrocínio em mãos, Robério só amplia a “mendicância cultural” na porta da Secretaria de Cultura. Ele, o todo poderoso secretário de cultura Robério Braga, jamais “mexido” desde que assumiu a Secretaria no primeiro governo de Amazonino Mendes, só libera o apoio aos coordenadores de eventos se eles “rezarem na sua cartilha” ou se estiverem dentro do seu restrito círculo de amizade e de apadrinhamento. Foi o que disseram três promotores culturais e músicos, que pediram para não serem identificados, temendo represália e bloqueio dos apoios que solicitaram de Braga.

Em contato com o Correio da Amazônia, por e-mail, o coordenador geral do maior evento musical no interior do Amazonas, Manolo Olímpio, disse que as empresas alegam, que as verba para cultura estão à disposição da Agência Amazonenses de Fomento à Cultura, a mesma que é dirigida por Robério Braga e, que só estão repassando os recursos para a Agência “dele”.

Manolo já fez vários pedidos de patrocínio para o Fecani/2016 às empresas, que em anos anteriores, já haviam patrocinando o festival na cidade de Itacoatiara. “Quase todas negaram o apoio ao FECANI, as outras ainda não responderam”, lamentou.

Diante da dificuldade que se avizinha, em função da centralização das verbas de patrocínio, Manolo já se diz preparado para tomar uma decisão. Vai divulgar as responsabilidades, perdas e entraves promovidas por Robério Braga para a população de Manaus e do Amazonas. “Sempre dividimos as responsabilidades do evento”, avisa.

O Secretário de Estado e Cultura Robério Braga tentou impedir que a Igreja Evangélica do Avivamento Jesus é o Caminho realizasse o Louvai 2016.

O Secretário de Estado e Cultura Robério Braga tentou impedir que a Igreja Evangélica do Avivamento Jesus é o Caminho realizasse o Louvai 2016.

Robério Braga

Além de receber salário de R$ 32.429,78 (bruto) da UEA (Universidade do Estado do Amazonas), no cargo de procurador autárquico sem dar expediente, Robério Braga é titular da Secretaria de Estado de Cultura (SEC)”, cargo que exerce há 19 anos, com salário de R$ 12 Mil.

Ele assumiu a Secretaria de Estado de Cultura na sua inauguração, no dia 20 de janeiro de 1997 e, desde então, vem enfrentando forte resistência da classe artística do Amazonas, em todos os níveis. Robério é criticado por dez a cada dez artistas consultados, tanto que existe até um movimento que pede sua saída da SEC, há mais de 10 anos.

Os artistas entendem que o advogado Robério Braga deve se aposentar, que o governador deveria arejar a cultura do Estado, com novo gestor, menos polêmico, menos excludente, mais amazônico.

Portal do Ronaldo

Resumindo, o portal do Ronaldo Tiradentes disse certa vez que: “Robério Braga – o nosso eterno “Kadafi da Cultura” enfrenta diversas investigações e processos por irregularidades no comando da Secretaria de Cultura do Amazonas.

Acusado de gastar mais de 500 milhões de reais sem licitação, através de uma entidade que ele mesmo criou, a Associação Amigos da Cultura, Robério é investigado por convênios irregulares, superfaturamento, dispensa de licitação, aluguel do Sambódromo, entre outros.

Um dos processos envolve a Associação Amigos da Cultura, que nunca teve outra atividade, senão receber dinheiro da SEC para organizar os festivais da gastança promovidos pela SEC. Outro processo está relacionado com o direcionamento de licitação para contratação dos serviços de sonorização e iluminação da empresa ECO ART”.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

1 comentário

  • Olá, cadê os variadores de nossa Cidade? Ou será que estão torcendo para o FIM do Fecani? Manolo divulgue as suas dificuldades, mostre a sua luta para manter viva a Cultura em nossa cidade.

error: Ops! não foi dessa vez.