Brasil Destaques Política

‘STF não comporta ‘paixões’, diz Jaques Wagner sobre críticas de Gilmar Mendes

Ministro Jaques Wagner, da Defesa/Foto: Divulgação
Ministro Jaques Wagner, da Defesa/Foto: Divulgação
Redação
Escrito por Redação

O ministro da Defesa, Jaques Wagner, reagiu ontem, sábado (19), às críticas feitas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes ao PT e à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), durante o julgamento sobre o financiamento de empresas a campanhas eleitorais. Nas redes sociais, Wagner disse que as acusações de Mendes “não condizem” com um magistrado da mais alta Corte do País e que as cadeiras do STF “não comportam paixões”.
“Fiquei negativamente surpreso com a atitude do ministro Gilmar Mendes na sessão do Supremo Tribunal Federal que proibiu o financiamento empresarial de campanhas. O ministro proferiu críticas ao Partido dos Trabalhadores e à OAB, com acusações que não condizem com um magistrado da maior corte do País”, escreveu. “As cadeiras do STF são local de equilíbrio e não comportam paixões”, publicou o ministro no Twitter e no Facebook neste sábado (19).

Durante sessão de julgamento do financiamento empresarial, na quarta-feira (16), Mendes votou contra a proibição do financiamento privado e acusou a OAB e o PT de tentarem fazer reforma política pela via judicial e garantir a manutenção do partido no poder por meio da “asfixia” da oposição. Em entrevista à imprensa na sexta-feira, Mendes voltou a atacar o PT, acusando a sigla de “cleptocracia”, termo de origem grega que significa “estado governado por ladrões”. Disse ainda que a OAB não pode ser “aparelho de partido”.

Ação judicial

Com as acusações de Mendes durante o julgamento, o PT avalia entrar com ação judicial contra o ministro. Em nota divulgada na quinta-feira (17), o presidente nacional do partido, Rui Falcão, afirmou que Gilmar Mendes “faltou com a verdade” quando acusou a sigla de oportunismo durante a apreciação da Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin), impetrada pela OAB no Supremo, contra o financiamento empresarial de campanha, pois a defesa do financiamento público sempre foi bandeira do PT.(UOL)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.