Amazonas Esportes

Suspensão de Alecsandro por doping pode ser anulada, diz advogado

Alecsandro está suspenso por dois anos/Foto: André Greco
Alecsandro está suspenso por dois anos/Foto: André Greco
Redação
Escrito por Redação
Alecsandro está suspenso por dois anos/Foto: André Greco

                        Alecsandro está suspenso por dois anos/Foto: André Greco

O caso envolvendo o doping de Alecsandro pode sofrer uma reviravolta. Ontem, terça-feira (06), o advogado do jogador, Bichara Abidão Neto, afirmou que a WADA (Agência Mundial Antidoping) confirmou aos representantes do atacante do Palmeiras, no final da tarde, que o metabólito consumido pelo Alecsandro gera um falso positivo em exames anti-doping, pois se assemelha a outra substância que é proibida pelo controle anti-dopagem.
Com essa constatação da agência em mãos, o staff do jogador buscará extinguir a suspensão do atleta.

“Depois do julgamento da FPF (Federação Paulista de Futebol), pedimos à WADA que submetesse a mesma prova a um laboratório deles. Eles fizeram isso em um laboratório de Los Angeles e viram que era falso positivo o metabólito que seria a substância proibida”, explicou Abidão Neto.

O Palmeiras também está sabendo da notícia do falso doping. A comissão técnica comemora o que chama de “justiça tardia”. O clube agora aguarda ser notificado pelas CBF e pela FPF para já saber quando poderá contar com o jogador. Depois de um novo julgamento, provavelmente na próxima semana, o atleta deve ser liberado para atuar.

No início de agosto, o Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo (TJD-SP) suspendeu Alecsandro por dois anos. Na partida contra o Corinthians, em abril, o atacante havia sido flagrado em exame antidoping pelo uso de agentes anabolizantes. A substância em questão seria a Andarina.

“O metabólito que seria a substância proibida era uma molécula idêntica: a Flutamida, contida na loção que (Alecsandro) usou para o tratamento capilar. Era a mesma molécula nas duas substâncias, a proibida e a permitida. Usamos a mesma tese na FPF, e eles negaram. A WADA aceitou”, continuou Abidão Neto.

A tese apresentada pela defesa de Alecsandro passou por uma análise no mesmo laboratório de Los Angeles responsável pela prova e pela contraprova dos exames que resultaram na condenação do atacante.

O laboratório promoveu um teste com o metabólito apresentado na tese de defesa e o resultado se assemelhou à substância dopante.

De acordo com o advogado de Alecsandro, a Wada ainda formalizará a decisão e o caso pode ser arquivado. A expectativa é de que a entidade comunique a ABCD (Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem) ou diretamente a FPF (Federação Paulista de Futebol) até quinta-feira.

Nas redes sociais, o empresário de Alecsandro, Oldegard Filho, comemorou a possível reviravolta no caso. “A justiça foi feita para este grande atleta, homem íntegro, pai de família exemplar, que vem sofrendo muito nesses últimos dias pela punição injusta imposta”.(UOL)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.