Amazônia Tocantins

TO: Agente cobrava até R$ 8 mil para repassar celular a presos, diz polícia

Redação
Escrito por Redação

Um funcionário da empresa terceirizada que faz a segurança do presídio Barra da Grota em Araguaína, norte do Tocantins, foi preso nesta terça-feira (17) por suspeita de facilitar entrada de objetos na unidade. As investigações apontam que as negociações para a entrada de um celular poderia chegar a R$ 8 mil.

Ademilson Carneliano Celestino, de 58 anos, estava em casa quando foi preso pela equipe da Delegacia de Investigações Criminais em Araguaína.

“Nós temos feito um trabalho conjunto com a direção do presídio e recebemos a informação de que este indivíduo teria drogas em casa, além de aparelhos celulares que seria encaminhados para o interior do presídio”, explicou o delegado José Anchieta.

A polícia apreendeu carregadores, fones de ouvido celular, alicates e chaves mecânicas foral alguns dos objetos apreendidos na casa do suspeito e também no armário dele que fica no presídio.

Durante as investigações, a polícia localizou também uma carta que provavelmente foi escrita por um detento. No texto, tem vários pedidos. Entre eles a negociação de valores, um carregador era repassado dentro da unidade por até R$ 500 reais.

“Varia de acordo com a utilização e de como essa ferramenta seria utilizada lá dentro”, afirmou o diretor do presídio, Jean Carlos.

A Polícia Civil também apreendeu uma motocicleta. A suspeita é de que ela tenha sido adquirida com o pagamento que era repassado pelos presos.

O suspeito foi levado para a Casa de Prisão Provisória de Araguaína. “Ele vai ser autuado por crime de corrupção passiva, além de associação criminosa prevista no artigo 288 do Código Penal e o favorecimento a entrada de aparelho telefônico em unidade prisional”, disse o delegado.

A polícia não descarta a participação de outras pessoas no esquema e segue com as investigações.

(Portal Gilda Bonfim)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.