Mundo

Tráfico de plantas e animais movimenta R$ 107 bi por ano

Redação
Escrito por Redação

O tráfico ilegal de flora e fauna selvagem no mundo movimenta 27 bilhões de euros (cerca de R$ 107 bilhões) anualmente. O montante só é superado pelo comércio clandestino de armas e drogas, afirmou neste sábado (4) um representante do Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na sigla em inglês).

Em entrevista à agência Efe, o responsável das espécies ameaçadas do WWF, Luis Suárez, explicou que a luta contra esta atividade ilícita é o tema do Dia Mundial do Meio Ambiente, que se comemora no domingo (5).

“Não há hoje uma espécie de fauna que não esteja sob a pressão do tráfico ilegal”, disse Suárez, lembrando que o caviar é um dos produtos mais cobiçados, bem como as peles de todo o tipo — em particular as de jacaré e crocodilo, além de dentes de elefante, chifres do rinoceronte e corais.

Suárez alerta também que a prática de caça ilegal a tigre, elefante e rinoceronte continuam, e diz: “Se estes animais são tão visíveis e vigiados e sofrem uma perseguição tão grande, imagine o que pode acontecer com as outras espécies menores e menos conhecidas”.

Os controles do Comércio Internacional das Espécies Ameaçadas da Fauna e Flora Silvestre (sigla em inglês para CITES) não parecem ser suficientes para impedir a ameaça de tráfico ilegal que está levando, por exemplo, à extinção dos pangolins (mamífero encontrado na Ásia e na África).

“Calcula-se que 13.000 exemplares de pangolins vivam dispersos e se distribuam de forma irregular todos os anos, o que dificulta o controle do tráfico ilegal”, explicou.

Situação semelhante ocorre com “as aves e certo tipo de árvores utilizadas pela indústria madeireira”, diz o especialista, que insiste que, quanto menor “é o objeto de desejo”, mais fácil é traficá-lo e “menos se conhece o seu impacto na natureza”.

Suárez comenta também que ao comércio ilegal se somam outros problemas que afetam a sobrevivência das espécies, como a destruição do habitat devido à presença humana.

(NOTÍCIAS AO MINUTO)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.