Mundo

Trump se diz arrependido de ofensas feitas durante a campanha

Donald Trump se diz arrependido/Foto: AFP
Donald Trump se diz arrependido/Foto: AFP
Redação
Escrito por Redação
Donald Trump se diz arrependido/Foto: AFP

                                        Donald Trump se diz arrependido/Foto: AFP

Donald Trump fez, ontem, quinta-feira, uma confissão surpreendente e se declarou arrependido das palavras ofensivas que pronunciou durante a campanha eleitoral, ao assumir a postura de um candidato mais propenso à busca de consensos.
“Às vezes, no calor do debate e falando sobre uma grande variedade de temas, não escolhemos as palavras corretas e dizemos coisas equivocadas”, afirmou Trump durante um ato em Charlotte, na Carolina do Norte.

“Isso aconteceu comigo e, acreditando ou não, eu lamento”, disse, provocando aplausos entre a multidão. “Realmente lamento, e em especial quando causou dor às pessoas”, acrescentou, garantindo aos seus seguidores que “sempre direi a verdade a vocês”.

Esta declaração, que foi lida por ele, marca uma inflexão em seu estilo de campanha.

Nos últimos dias e em meio a sua queda nas pesquisas, Trump havia expressado seu desejo de retomar os discursos explosivos que fizeram sucesso durante as primárias republicanas.

Nesta mesma semana, Trump renovou sua equipe assessora na campanha eleitoral e nomeou como diretor Steve Bannon, dono do site conservador Breitbart News, um homem sem experiência política, mas reconhecido por sua virulência.

Mas suas polêmicas mais recentes – especialmente seus confrontos com os pais de um capitão muçulmano que morreu no Iraque – o afetaram duramente.

Seus críticos também o acusaram de incitar a violência contra sua rival democrata Hillary Clinton, mediante declarações ambíguas sobre o direito ao porte de armas.

Sem alterar as linhas gerais de seu discurso – muro na fronteira com o México, protecionismo comercial -, Trump se apresentou na quinta-feira como um agente da mudança, em contraposição a Hillary que, segundo ele, representa o establishment e favorece os ricos e poderosos.

Ao chamar novamente Hillary de “mentirosa”, propôs reforçar as normas éticas do governo e combater o tráfico de influência.

Além de integrar Bannon em seu comando, Trump nomeou como diretora de sua campanha a pesquisadora republicana Kellyanne Conway, especialista em comunicação com as mulheres.

Apelo aos eleitores negros

Para demonstrar seu espírito aberto, o republicano detalhou seus projetos em educação para a comunidade negra, que se inclina em 90% pelos democratas, mas que sofre desproporcionalmente com a pobreza e a precariedade.

“Não descansarei até que as crianças deste país, não importa qual seja sua cor, formem totalmente parte do sonho americano”, disse.

“Se os eleitores afro-americanos derem seu voto a Donald Trump, obterão um resultado incrível”, acrescentou.

No campo democrata, esta postura mais tolerante de Trump era ironizada.

“As desculpas desta noite são simplesmente uma frase bem escrita até que nos diga qual de seus muitos comentários ofensivos e divisivos lamenta e até que mude o tom de suas palavras”, disse Christina Reynolds, vice-diretora de comunicações da campanha de Hillary.

Mas esta nova faceta de Trump agradou muitos de seus seguidores.

“Gostei muito do tom. Acredito que era algo que tinha que dizer. Estou tão feliz por ter feito isso”, disse Annette Fitch, de 55 anos.

Mas Hans Peter Plotseneder, um austríaco naturalizado americano de 71 anos, opinou que perdeu “um pouco deste toque pessoal”.

“Espero que não se torne muito politicamente correto”, disse.(Terra/IstoÉ)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.