Mundo

União Europeia fecha acordo com a Líbia para combater tráfico humano

A rota marítima entre a Líbia e a Itália é considerada a "mais mortal do mundo"/Foto: divulgação
Redação
Escrito por Redação
A rota marítima entre a Líbia e a Itália é considerada a "mais mortal do mundo"/Foto: divulgação

A rota marítima entre a Líbia e a Itália é considerada a “mais mortal do mundo”/Foto: divulgação

Representantes do Serviço Europeu para Ação Externa firmaram, em Roma, acordo de colaboração com o governo de unidade nacional da Líbia para treinar agentes da Guarda Costeira e da Líbia a fim de combater o tráfico de pessoas. As informações são da Agência Ansa.

A Líbia é um dos principais pontos de partida dos imigrantes que fogem das guerras e dos conflitos no Oriente Médio e do Norte da África para a Europa, especialmente para a Itália.

Segundo o almirante Enrico Credendino, comandante da Operação Eunavfor Med, esse é um “novo passo da cooperação” entre a União Europeia e as instituições líbias. É também um desdobramento da Operação “Sophia”, que combate, localiza e identifica os traficantes de pessoas que fazem a perigosa travessia pelo Mar Mediterrâneo.

Em reunião realizada no último dia 20 de junho, o Conselho Europeu estipulou duas novas metas para a Eunavfor Med: capacitar e treinar a Guarda Costeira e a Marinha e ajudar na implementação do embargo das Nações Unidas ao tráfico de armas na região.

Segundo dados da União Europeia, desde o início da missão, 84 suspeitos de tráfico foram processados pelas autoridades italianas e 255 barcos clandestinos foram destruídos, evitando assim novas travessias com imigrantes. Além disso, 21.958 vidas foram salvas em alto-mar.

A rota marítima entre a Líbia e a Itália é considerada a “mais mortal do mundo” e é a mais utilizada pelos imigrantes ilegais para chegar à Itália. Conforme dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM), mais de 104 mil deslocados chegaram ao território italiano pela rota só neste ano e mais 2.725 morreram ou desapareceram tentando a travessia.

(NOTICIAS AO MINUTO)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.