Isabela Abes Casaca

Vivenciar o Brasil, Conocer acerca de Latinoamérica e Compartir Sentimientos – por Isabela Abes Casaca

Isabela Abes Casaca

Hombre de todas partes, el hombre soy,
memoria americana de la canción,
y vaya donde vaya soy tierra que anda
con la raíz afuera del corazón.
(Armando Tejada Gómez & César Isella)

Latinoamérica Soy Yo, Paulina SuarezO Brasil e a América Latina não cabem nos manuais, nas cartilhas, tabelas, organogramas ou esteriótipos. Para muito além de divisões partidárias ou ideológicas, somos miscigenação, um povo sensível, coração vibrante, alma viajante.

As vezes meu sangue latino, minha alma cativa[1] falam ainda mais alto, e me volto aos latino-americanos produtores de cultura. Não significa que, não goste de pensadores, poetas, escritores e músicos estrangeiros (ingleses, franceses, gregos, alemães, arábes etc). Quem me conhece sabe que esta interpretação não procede.

Eu os valorizo e reconheço, assim como aprecio e admiro os que tem como língua, o português e o espanhol. O que me motiva a escrever é, a percepção de que, em meio a tanta informação e cultura descartável, estamos negligenciando nossos talentos.

Ao invés de dispensar tanta atenção aos best-sellers, jornais, rádios e paradas de sucesso, separa tus sentidos para escuchar y leer a arte de Atahualpa Yupanqui, Awatiñas, Beto Guedes, Boca Livre, Calle 13, Elis Regina, Gabriel García Marques, Geraldo Vandré, Illapu, Jorge Drexler, Jorge Luís Borges, José Martí, Kalamarka, Lô Borges, Mercedes Sosa, Milton Nascimento, Tarancón, Thiago de Mello, Violeta Parra e outros.

Latinoamérica, Jano e BastiE não pares por aí. Sabemos tão pouco das povos que aqui habitavam antes do desarollo urbano trazido pelos europeus.

Muito mais intrigante que o enigma do outro mundo, são os mistérios profundos das linhas de Nazca, da Ilha de Páscoa, do Calendário Maia, das Pirâmides Astecas, da prosperidade de Tawantinsuyu, das cidades ocultas na Amazônia.

Que tipo de medicina está nas aldeias indígenas? Como é a fé das senhoras benzedeiras? Quais as sementes nativas deste solo? Quais os métodos de plantio incaico? Quais as sabedorias do sertão? Quais histórias de amor se escondem na literatura de cordel? Onde vivia el alma del hijo del Sol?

Quais os nossos heróis? Cândido Mariano da Silva Rondon (o Marechal Rondon), José Alberto Mujica Cordano (o Pepe Mujica), e muitos outros heróis-anônimos, gente de lida e valor, que olham para o mundo através de janelas mais fraternas. Por falar nos Josés, Joãos, Marias e Joanas, qual será a história de sua família? A história dos seus pais, avós, bisavós, suas raízes ancestrais, como será?

Latinoamerica Soy Yo, Jason Gonzalez JimenezNum mundo de roteiros cinematográficos majoritariamente óbvios, de cores monocromáticas e expressões blasé, é profundamente necessário resgatarmos nossas raízes, familiares e culturais.

Somos peregrinos dentro do mais engenhoso labirinto do universo, o tempo. Quiça, somos um mundo dentro do Mundo, la partícula cósmica que navega en nuestro sangre es un mundo infinito de fuerzas siderales[2].

Que mosaico de cores e enredos encontraremos nesta investigação? Que surpresas nos aguardam na busca pelas respostas destes mistérios e perguntas.

Vivenciar o Brasil, conhecer a América Latina, compartilhar sentimentos…

_____________________________________________________________________________
[1] Trecho da música Sangue Latino, de Secos & Molhados;
[2] Adaptação de um trecho do poema Tiempo Del Hombre, de Atahualpa Yupanqui.

Isabela Abes Casaca
Twitter: @isabelacasaca
http://www.novaagora.org/

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.